quarta-feira, 21 de novembro de 2007

I'm just a girl standing in front of a boy asking him to love her...


Essa fala aí do título é do filme Notting Hill (o meu favorito)!

Eu sempre penso nela quando vejo algumas dificuldades de comunicação entre os pares.
Hoje uma aluna veio me dizer que o namoro de 3 meses (tão sonhado e esperado) chega ao final. Me disse também que o "cara" não entendia muito bem o que ela queria e ficavam meio que sem se comunicar. Gente, comunicação é tudo em um relacionamento!!!

Eu pensei logo na cena do filme, onde a Júlia Roberts (uma superstar se apaixona por um cara comum) depois de vacilado várias vezes com o bonzinho da estória (Hugh Grant) pede para que ele fique com ela dizendo as palavras: "I'm just a girl standing in front of a boy asking him to love her..."

O personagem do Hugh não entende aquilo como uma proposta de amor e pensa que seria mais uma de suas armadilhas e deixa a moça no vácuo. Depois, é claro, se arrepende e corre atrás da moça em todos os hotéis de Londres. Final feliz lógico!

Mas porque também não temos um final ao menos digno? Porque precisamos falar com o "cara" que queremos ser amadas, por aquilo que somos e não por um modelo que ele vê na tv ou no seu imaginário? Como diz a banda Kid Abelha: "ainda encontro a fórmula do amor"!.

5 comentários:

Beth disse...

Aquele sorriso dela no final, durante a coletiva, é tudo de muito lindo. E me diga: quem não gostaria de ter um lindo sorriso daqueles (independente do sexo) dando um aval de uma felicidade possível.
Uauauauauauauaua
Tu acredita em sapos ou em principes?

bjs
e é claro que pode me linkar. Farei o mesmo com vocês !!! Bjs

Visite meus outros espaços: eles estão linkados na lateral. rs rs rs

+++ beijos

Munina. disse...

Nossa, essa coisa de final feliz dá mesmo muito pano para manga, rs.
Eu nunca ví esse filme, embora tenha ouvido falar muito dele.
Mas, voltando na comunicação entre casais... É foda. Na verdade, deixemos o casal de lado e pensemos em homens e mulheres em geral. Temos mesmo uma dificuldade enorme de nos expressarmos e nos compreendermos. Isso é um mal mesmo da humanidade, penso eu. E os homens, no sentido de gênero, talvez tenham mesmo uma dificuldade ainda mais acentuada, rsrsrsrrs.

Cafeína disse...

temos que ser mais diretas, eles não entendem qdo falamos por indiretas...é o que aprendi até agora..
bjo

Munina. disse...

Não entendem indiretas? Caramba, será que é isso então?! Opaaaaaaa

Paola a Estranha disse...

Oi!
Cheguei aqui através da Beth, adorei este blog!
Bjo